A importância da conscientização para salvar vidas

Você já ouviu falar em tumor de Hipófise? Eu nunca tinha ouvido e na verdade nem sabia quase nada sobre a hipófise até conhecer a história da Juliana Gongora que conto abaixo como uma forma de ajudar a conscientizar as pessoas e com isto, salvar vidas. Acredito que jornalismo também é isto: contar boas histórias que levem a conscientização de assuntos que podem ser tristes e pesados.

A hipósife é uma pequena glândula (do tamanho de uma ervilha) também conhecida como árvore da vida que produz todos os hormônios do corpo humano. E na maioria das vezes o tumor na hipófise só é descoberto em estágio mais avançado, quando já está em tamanho considerável. Juliana descobriu neste estágio, mas conseguiu se tratar e desde então tem espalhado informações para que mais pessoas conheçam sobre a glândula e o tumor como forma de ajudar na descoberta do diagnóstico correto previamente. Em 99% dos casos o tumor de hipófise é benigno.

Achei a atitude dela muito bacana então estou aqui ajudando a disseminar informações sobre o assunto. Transmitir informação séria sobre a doença é uma forma de conscientizar e ajudar pessoas a minimizar o sofrimento de uma doença como um tumor. Sim, câncer e tumor são palavras tabu, mas precisamos falar sobre estes assuntos para ajudar a salvar vidas. Nem sempre câncer ou tumor é sentença de morte.

Juliana conta: “Dia 11 de Agosto de 2017, estava fazendo uma ativação em São Paulo, no Allianz Parque (moro em São Carlos, interior de SP), quando de repente, senti que minha visão periférica no olho direito ficou meio embaçada (só a periférica). Imediatamente pesquisei o significado no Google e apareceram resultados ligados ao estresse e glaucoma, então , liguei aquela alteração ao estresse e segui tranquila durante o evento e na semana seguinte. Após uma semana procurei um oftalmologista em São Carlos, o Dr. Fabiano Sakamoto, que após uma análise bem detalhada me perguntou como estavam meus hormônios e falou sem delongas: vamos fazer um exame de campimetria, pois estou suspeitando de tumor na sua hipófise. Meu mundo acabou, pois já imaginei em não ver meu filho crescer e não concluir meus sonhos. Fiz o exame  e mostrou que algo estava comprometendo metade do meu olho direito e um pedaço superior do esquerdo. Fiz a ressonância e foi confirmado um macroadenoma de 4,8cm.
Como o tumor era imenso, comecei a correr contra o tempo, porque poderia ficar cega a qualquer momento. O pior era que que não tinha convênio médico, dependeria do SUS para tudo. Comecei a pesquisar sobre a cirurgia e vi que tinha duas maneiras de retirar o tumor: uma pelo nariz e outra pelo crânio (essa do crânio deixa o paciente alguns dias em coma induzido). Nessa corrida contra o tempo, marquei consulta em São Paulo com Dr. Pedro Paulo Mariani, especialista em cirurgia de hipófise que opera nos melhores hospitais de São Paulo (Sírio, Einstein, Moriah entre outros) e também já operou na rede pública. A consulta com ele foi um valor muito justo logo pensei: esse médico é diferente. Lembra que comentei que não tinha convênio? O Dr. me atendeu super bem me tranquilizou, ficou 3 horas em consulta comigo.
Antes de chegar até esse médico eu consegui uma abertura pela Unicamp, mas havia chance de ter que tirar parte do tumor pelo crânio e fazer outra cirurgia para tirar pelo nariz ( isso me assustou demais). Também tinha passado por um neuro em São Carlos. Sem contar que em duas semanas eu já não dirigia mais , não andava sozinha, porque o tumor cresceu mais e já tinha perdido praticamente minha visão.
Foi quando fiz uma vakinha na internet e em uma semana o valor arrecado passou o necessário para a cirurgia. Dia 30 de outubro fiz a cirurgia , demorou 10 horas, foi retirado todo tumor e já voltei a enxergar 50%.
O Dr. Pedro salvou minha vida, é um médico humano. Nesse caminho, encontrei muitas pessoas que quase morreram por erros médicos, tiveram das que ficaram cegas durante a cirurgia, e outros erros que já chorei muito , então gostaria que os veículos de imprensa fizessem matérias para ajudar as pessoas sobre esse tumor muitas vezes silencioso.”
Para saber mais sobre a história da Juliana e sobre o tumor de hipófise
Crédito da foto de abertura: foto retirada da capa do site do Dr. Pedro Paulo Mariani
Fiquei emocionada com a história da Juliana Gongora e a forma que encontrou para ajudar outras pessoas que podem passar pela mesma situação. Desejo que Juliana esteja completamente curada e que continue a disseminar informação para conscientização.
Que tal replicar esta história linda? E se você quiser saber mais mais sobre a Juliana ou queira ajudar de alguma forma, terei imenso prazer em passar os contatos dela.
Caiu um cisco no meu olho aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *