Precisamos falar sobre homofobia

Medo e revolta são os sentimentos que sinto com cada notícia reacionária que anda assombrando o Brasil recentemente como a de que a Justiça do Distrito Federal resolveu que homossexualidade é doença e pode ser tratada por psicólogos (indo contra a OMS – Organização Mundial de Saúde que em 1990 tirou a homossexualidade do rol de doenças). Em um momento tão cheio de problemas reais em Terra Brasilis decisões como esta mostram porque o país que já foi considerado “do futuro” caminha para o fundo do poço da ignorância e do obscurantismo.

Antes que os haters comecem a problematizar em cima da minha vida, esclareço: sou heterossexual com alma gay, porque ser gay tem a ver com alegria, com amor em todas as suas formas, com respeito e aceitação das diferenças e eu sou alguém que preza pelo amor e a diversidade sempre.

Meu pai já foi questionado algumas vezes sobre a minha opção sexual. Já perguntaram na lata para ele se eu sou lésbica já que nunca apresento um namorado pra ninguém. Meu pai respondeu apenas que não se mete na vida sexual das filhas dele. Tem gente que realmente acha que sou lésbica e eu não estou nem um pouco preocupada com isto. Até porque se fosse lésbica ou bissexual ou trans ou que decidisse ser ninguém teria nada a ver com isto e eu continuaria a ser pessoa que sou em essência.

Tenho muitos amigos gays (homens e mulheres) e para mim são meus amigos e ponto, independente de suas orientações sexuais. Eu me relaciono com pessoas e não com orientações sexuais! Inclusive são os amigos gays que mais conseguem entender algumas coisas de Suzana, que mais curtem o meu estilo de ser e de me expressar a tão ponto que uma das minhas sobrinhas recentemente falou quando mostrei meu brinco novo – uma lâmpada que acende: Em você fica bom Su porque você é tendência. Você tem muitos amigos gays? Respondi sim e ela completou porque você gosta de um monte de coisas de vanguarda e geralmente são os gays que gostam disto. (Vejam só o que quero dizer sobre ter a alma gay!)

Por que a justiça brasileira não resolve cuidar de assuntos realmente importantes para o país como o fim da corrupção, cadeia para quem rouba dinheiro público, punição aos envolvidos em esquemas de corrupção em qualquer instância, cobrar o dinheiro roubado e fazer com que este dinheiro seja usado para o que realmente importa como o caos da saúde pública no país, as merendas escolares, a educação? Por que não prende estuprador? – estupro é crime hediondo, não deveria ter perdão nunca e ejacular no pescoço de uma mulher é violência sim. É mais que constrangimento. Mais ejacular em mulher pode, agora quem assume que ama uma pessoa do mesmo sexo é doente. Que ponto chegamos? Doença é preconceito, doença é querer impor a sua “normalidade” para uma sociedade inteira.

O que é a normalidade? Quem é normal? Quem disse que isto pode e aquilo não? A situação em terra brasilis é tão absurda que em relação as mulheres estamos retrocedendo também. Coitada da mulher que decide denunciar violência sexual. É tratada como se fosse culpada de homens sem noção e sem educação não saberem controlar seus instintos. A mulher nunca é culpada. Ela é vítima de uma sociedade doente e machista. E feminismo nõ é o contrário do machismo. O feminismo quer equidade e não a supremacia do feminino sobre o masculino.

Só nos primeiros quatro meses de 2017 houve aumento de 20% nas agressões contra pessoas LGBT. Em 2016 foram 343 mortes, sendo 144 de travestis e transexuais. E o que adianta a novela do horário nobre da maior rede de TV do país trazer a questão da transexualidade para a berlinda?

Uma sociedade que não pensa por si mesma e deixa que “líderes religiosos” ou que se autointitulam assim decidam o que é certo ou errado vive a deriva. Nada contra religiões, sou espiritualista e acredito muito em uma força maior que pode ser Deus ou ter outro nome, só que não consigo entender que o principal ensinamento do Cristo não seja utilizado por quem se diz tão religioso. Cristo pediu: Amai ao outro como a si mesmo! Ou seja, eu amo o outro como me amo e dentro deste amor eu respeito e aceito as pessoas como elas são.

Vem meteoro e acaba com este obscurantismo que dominou o Brasil. Isto aqui não tem mais jeito não.

Estou chocada, indignada e este é um desabafo que talvez nem esteja lógico ou muito objetivo, mas só quero que saibam: o que é doença é o preconceito de qualquer espécie! E isto que precisamos combater.

Bora lá levar minha alma gay em corpo hetero para protestar contra esta medida descabida! #juntossomosmaisfortes #homofobianão #homofobiaédoença

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *