Abençoado quem tem um irmão!

E 05 de setembro é o Dia dos Irmãos. Sou muito abençoada pois tenho três irmãs amadas e dois irmãos que hoje vivem em outra dimensão. Família grande é assim.

Sou a mais velha – um dos meus irmãos, de coração, era mais velho que eu – e sempre tratei minhas irmãs e irmãos com todo o amor do mundo. Apesar de ser a mais velha era eu quem apanhava delas. Eu pensava assim: sou mais velha que ela, deixa pra lá, não vou usar minha força de quem é maior contra ninguém.

Quem tem irmãos sabe a maravilha que é, e a realidade do: a gente briga, mas se ama! Eu posso brigar com meus irmãos, reclamar disto ou daquilo, mas não venha ninguém se meter com um deles que viro fera. São meus eternos bebês, mesmo adultas e duas delas com filhos.

A infância no casarão da Rua Morás e quando a gangue aumentava com nossos primos e primas que moravam perto brincando por lá também. Tinha gente que tocava a campainha para perguntar quando começava as aulas?, como fazer matrícula? Parecia mesmo uma escola de crianças felizes e que tinham espaço para brincar e socializar. As férias em Santos com uma turma mega grande e querida, cheia de irmãos também.

A adolescência meio turbulenta, as festas loucas no salão de festas, os finais de semana em Santos – muitas vezes só a gente, sem adultos por perto.  Os segredos entre irmãs, uma limpando a barra da outra. As vezes ameaçãndo contar, afinal faz parte da relação, fazer uma pressão no outro.

Uma das únicas vezes que menti na vida, minha maninha Leila, foi minha cúmplice, tinha prestado vestibular em várias faculdades, mas queria morar em Santos e já sabia que tinha passado no vestubular da UniSantos, e fui ver o resultado da Casper Líbero. Tinha entrado, mas se falasse para meus pais que tinha passado teria que estudar em Sampa mesmo. Não fazia parte dos meus planos então combinei com a irmã que ia falar que não tinha passado. Meus pais só souberam a real mais de 20 anos depois, pois resolvi contar, em um dia de recordações e alegrias. E sei que fiz a melhor escolha que poderia ter feito.

Cada uma de nós seguiu seu próprio caminho, fez valer suas escolhas de vida, no entanto continuamos sempre juntas, unidas por amor e amizade. Uma por todas e todas por uma sempre. E mesmo tão diferentes, somos muito iguais também e sabemos que uma sempre estará lá para a outra, aconteça o que for. Juntas na alegria e nas tristezas, nos bons e maus momentos, concordando ou discordando.

Irmão é isto. Se reconhecer perfeitamente em outro alguém, conhecer traumas, choques, detalhes tão pequenos de um outro que te reflete e te mostra que a família é base de tudo.

Gratidão irmãs e irmãos do meu coração por serem meus irmãos e fazerem parte da minha vida! A jornada não seria tão boa sem vocês por perto e a certeza de ter quem consiga entender cada detalhe e me amar mesmo com todas minhas imperfeições.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *