Saudade: amor eternizado!

Hoje é o Dia da Saudade. Você sente saudade de que? Pessoas, momentos passados, experiências, viagens? Que é a saudade que não amor eternizado? Amor vivido naquele momento, por aquela pessoa – que pode estar viva, mas distante ou já morar em outra dimensão -, naquele lugar, naquela experiência… Uma única palavra que expressa uma explosão de sentimentos e confirma que é preciso viver tudo que há para viver em cada momento.

Sou apaixonada pela saudade – não em seu lado obscuro e triste – mas no seu lado alegre que mostra que tive pessoas, momentos, felicidades dignas de serem eternizadas em meu coração e em minhas memórias. Saudades de grandes momentos e também de coisas simples, até corriqueiras no dia a dia mas que se eternizam dentro de mim. O pôr do sol na praia, um réveillon cheios de surpresas e aventuras, um beijo roubado em um show, a troca de olhares que não acabou em pegação, mas foi sublime e levantou a autoestima…

Também sinto saudade daquilo que não vivi, mas poderia ter vivido se tivesse feito outras escolhas…Não é uma saudade que se arrepende do que não viveu, mas uma saudade romântica do que poderia ter acontecido se a escolha fosse outra. A saudade do “se”, da possibilidade, do desconhecido.

Saudade de quem amei e não me amou na mesma intensidade – ou em intensidade nenhuma, de quem me amou e eu não amei, daqueles que amei e me amaram, mas acabou, daqueles que um dia admirei e hoje são indiferentes. Saudade dos meus amados que partiram para outra dimensão.

Tem uma frase que amo, mas não sei quem é o autor que diz: “Pra que voltar? Se a saudade é não daquele lugar, daquela felicidade”. No entanto, eu acabo voltando aos lugares que me marcaram e ficaram eternizados em forma de saudade. Não é igual, as coisas e os lugares mudam, mas poder estar novamente em um local que me foi importante reacende aquela saudade gostosa de lembrar com muito amor o que ali se realizou. Um dos lugares que pretendo voltar, por exemplo, é em Notre Dame, na França, e reviver um momento que deixou guardado, um final de tarde na igreja vendo a luz do pôr do sol refletida nos vitrais. Foi um momento mágico, do qual tenho uma saudade boa de um momento em que senti a presença de Deus ao meu lado. Foi tão marcante que depois fui ao Vaticano e não tive a mesma emoção. Lembrei disto, na sexta-feira conversando com minha sobrinha.

Curta suas saudades, sem medo, sem sofrimento, sem arrependimento. Com muito sentimento e alegria por ter do que sentir saudade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *